Glossário de Filosofia

Bibliografia:
MAGEE, Bryan. História da filosofia. Edições Loyola.
Mora, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. Martins Fontes, SP, 1998.
 

DICIONÁRIO DE FILOSOFIA 
 

A
Absoluto – realidade última, concebida como um princípio único, que abrange tudo. Alguns pensadores identificaram-no com Deus; outros não acreditaram nisso. O filósofo mais intimamente associado à idéia é Hegel.
Acidente – O que acontece a alguma coisa, sem constituir elemento essencial o usem derivar de sua naureza essencial, é o acidente, o acidental. Aristóteles definiu-o como "algo" que – apesar de não ser definição, nem propriedade nem gênero – pertence à coisa; algo que pode ou não pertencer à mesma coisa – como, por exemplo , a postura "estar sentado" pode pertencer  ou não a um mesmo ser em concreto.
Aforismos – são frases que expressam, de maneira condensada uma idéia, um fato ou uma regra. Há filósofos que utilizaram muito essa forma de escrever; atualmente, os aforismos continuam sendo usados por alguns pensadores, como os filósofos da linguagem.
Agente – O eu que faz, enquanto destino do eu que conhece; o eu que decide, escolhe ou age.
Agnóstico – Que não acredita nem desacredita, mas suspende o julgamento.
Analítica (filosofia) – Uma visão da filosofia que tem sua meta no esclarecimento – por exemplo, o esclarecimento dos conceitos, proposições, métodos e teorias pela cuidadosa triagem dos mesmos.
Analogia – É, em termos muito gerais, a correlação entre os termos de dois ou vários sistemas ou ordens, ou seja, a existência de uma relação  entre cada um dos termos de um sistema e cada um dos termos de outro.
Antinomia – Conclusões contraditórias derivadas de premissas igualmente boas.
Antropomorfismo – A atribuição das características humanas a algo não humano, por exemplo o clima ou Deus.
A priori – Algo que se sabe ser válido antes de experimentado. O oposto é a posteriori, que é algo cuja validade só pode ser determinada pela experiência.
 C
Categoria – Uma de nossas concepções  básicas. As categorias são das classes mais amplas em que as coisas podem ser divididas. Aristóteles e Kant tentaram oferecer uma lista completa delas.
Ceticismo – A opinião de que é impossível saber/conhecer qualquer coisa com certeza.
Cognição – Qualquer tipo de saber ou percepção.
Conceito – Um pensamento ou idéia; o significado de uma palavra ou termo.
Contingente- Pode ou não pode ser o caso, as coisas podem ser de ambos os modos. O oposto é necessário.
Corroboração – Evidência que dá apoio a uma conclusão sem necessariamente prová-la
Cosmologia – Estudo de todo o Universo, do cosmo. 
 D
Determinismo – A opinião de que nada pode acontecer senão o que  acontece, porque todo evento é o resultado necessário das causas que o precedem.
Dialética – habilidade de perguntar ou argumentar; termo técnico usado pelos seguidores de Hegel ou Marx para a idéia de que toda asserção provoca oposição, e ambas se reconciliam então numa síntese que inclui elementos de ambas.
Dualismo – visão de alguma coisa como composta de dois elementos irredutíveis.
 E
Empirismo- A visão de que todo conhecimento de que qualquer coisa que realmente exista deve ser derivado da experiência.
Epistemologia – Teoria do conhecimento; ramo da filosofia que se preocupa com o tipo da coisa que podemos conhecer, e como, e , e o que é o conhecimento. 
Essência – A essência de uma coisa é o que se faz ser o que é distintivo a seu respeito.
Estética -Filosofia da arte. Também questões filosóficas sobre a beleza.
Ética – Reflexão filosófica sobre como devemos viver, portanto sobre questões de certo e errado, bom e mau, direito e deveres, e outros conceitos semelhantes.
Existencialismo – Uma filosofia que começa com a existência contingente do ser humano individual e considera-a como o enigma primeiro.
 F
Falácia – Um argumento seriamente errado, ou uma falsa conclusão baseada em tal argumento.
Fenômeno- Uma experiência que é imediatamente presente. 
Fenomenologia – Uma abordagem filosófica que investiga os objetos da experiência sem levantar o que poderiam ser questões irrespondíveis sobre a natureza independente.
Filosofia- Literalmente, "amor da sabedoria". O termo é amplamente usado para qualquer reflexão racional consistente acerca de princípios gerais que tem o objetivo  de obter um entendimento mais profundo das coisas. A filosofia como disciplina pedagógica oferece treinamento na análise e esclarecimento rigorosos  de teorias, métodos, argumentos e enunciados de todo o tipo, e dos conceitos de que fazem uso .
H
Humanismo – Abordagem filosófica baseada na suposição de que o gênero humano é a coisa  mais importante que existe e de que não  pode haver conhecimento nenhum do mundo sobrenatural , se é que tal mundo existe. 
I
Idealismo – Visão de que a realidade consiste de algo não-material, seja mente, seja espíritos.
 L
Linguagem (filosofia da) – Também conhecida como análise da linguagem. Visão de que os problemas filosóficos surgem de um uso confuso da língua e devem ser resolvidos, por uma análise cuidadosa a língua/linguagem em que foram expressos.
Lógica – Ramo da filosofia que faz um estudo do próprio argumento racional.
M
Materialismo – Doutrina de que toda existência real é algo material.
Metafísica – Ramo da filosofia que se ocupa da natureza última do que existe. Ela questiona o mundo natural "de fora", por assim dizer, e suas questões, portanto, não podem ser abordadas pelos métodos da ciência.
Monismo – Visão de alguma coisa como formada por um elemento simples.
Mundo – Significa toda a realidade empírica, portanto, pode também ser equivalente à totalidade da experiência real e possível. 
N
Naturalismo – Visão de que a realidade é explicável sem referência a nada fora do mundo natural.
Nûmeno – A realidade incognoscível por trás daquilo que se apresenta à consciência humana, sendo este último conhecido como fenômeno.
 O
Ontologia – Ramo da filosofia que pergunta o que realmente existe, enquanto distinto da natureza de nosso conhecimento a respeito. 
P
Pragmatismo – Teoria da verdade. Sustenta que uma proposição é verdadeira se cumprir todas as tarefas exigidas dela, isto é,  se descrever acuradamente uma situação, levar-nos a antecipar corretamente as experiências, encaixar-se  em proposições já bem testadas. 
Premissa –  Ponto de partida de um argumento. Qualquer argumento tem de partir pelo menos de uma premissa. 
 R
Racionalismo – Visão de que podemos obter conhecimento do mundo pelo uso da razão, sem recorrer à percepção dos sentidos.
Refutabilidade – Propriedade de uma propriedade ou conjunto de proposições, pode ser provada  errada pelo teste empírico. 
S
Semântica – Estudo dos significados em expressões lingüísticas
Sofista – Alguém cujo objetivo numa discussão não é atingir a verdade, mas vencer a discussão.
Solipsismo – Crença de que só o eu existe. 
T
Tautologia – Proposição que é necessariamente verdadeira.
Teleologia – estudo dos fins ou objetivos. 
Transcendental – Fora do mundo da experiência sensorial.
 U
Universal – Conceito de aplicação geral.
Utilitarismo – Teoria de ética e de política que julga a moralidade das ações por suas consequências, que considera a conseqüência mais desejável como o maior bem para o maior número de pessoas. 
 V
Validade – Uma propriedade dos argumentos. Um argumento é válido se sua conclusão seguir suas premissas.
Verificabilidade – Propriedade de uma proposição, ou conjunto de proposições, de poder ser provada verdadeira pelo teste empírico. 
 
Bibliografia:
MAGEE, Bryan. História da filosofia. Edições Loyola.
Mora, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. Martins Fontes, SP, 1998.
 
Esse post foi publicado em Filosofia. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s