Henry Wallon

 
:::::::::::::::::::::
::: Edição Nº 160 :::
::: Março de 2003 :::
:::::::::::::::::::::
::::::::::::::::::::
::: Henry Wallon :::
::::::::::::::::::::
 
1. Militante apaixonado,
1.1. esse médico,
1.2. psicólogo
1.3. e filósofo francês
1.4. mostrou
1.5. que as crianças
1.6. têm também corpo
1.7. e emoções
1.8. (e não apenas cabeça)
1.9. na sala de aula
 
2. Fernando Tadeu Santos
 
3. Wallon:
3.1. "Reprovar
3.2. é sinônimo
3.3. de expulsar,
3.4. negar,
3.5. excluir.
3.6. É a própria
3.7. negação
3.8. do ensino"
 
4. Falar
4.1. que a escola
4.2. deve proporcionar
4.3. formação integral
4.4. (intelectual,
4.5. afetiva
4.6. e social)
4.7. às crianças
4.8. é comum
4.9. hoje
4.10. em dia.
 
5. No início
5.1. do século passado,
5.2. porém,
5.3. essa idéia
5.4. foi uma verdadeira
5.5. revolução
5.6. no ensino.
 
6. Uma revolução
6.1. comandada
6.2. por um médico,
6.3. psicólogo
6.4. e filósofo francês
6.5. chamado
6.6. Henri Wallon.
 
7. Sua teoria
7.1. pedagógica,
7.2. que diz
7.3. que o desenvolvimento
7.4. intelectual
7.5. envolve
7.6. muito mais
7.7. do que
7.8. um simples cérebro,
7.9. abalou as convicções
7.10. numa época
7.11. em que
7.12. memória
7.13. e erudição
7.14. eram o máximo
7.15. em termos
7.16. de construção
7.17. do conhecimento.
 
8. Wallon
8.1. foi o primeiro
8.2. a levar
8.3. não só o corpo
8.4. da criança,
8.5. mas também
8.6. suas emoções,
8.7. para dentro
8.8. da sala de aula.
 
9. Baseou
9.1. suas idéias
9.2. em quatro
9.3. elementos básicos
9.4. que se comunicam
9.5. o tempo todo:
9.5.1. a afetividade,
9.5.2. o movimento,
9.5.3. a inteligência
9.5.4. e a formação do eu
9.5.4.1. como pessoa.
 
10. Militante apaixonado
10.1. (tanto na política
10.2. como na educação),
10.3. dizia
10.4. que reprovar
10.5. é sinônimo
10.6. de expulsar,
10.7. negar,
10.8. excluir.
 
11. Ou seja,
11.1. "a própria negação
11.2. do ensino".
 
12. Afetividade
 
13. As emoções,
13.1. para Wallon,
13.2. têm papel
13.3. preponderante
13.4. no desenvolvimento
13.5. da pessoa.
 
14. É por meio delas
14.1. que o aluno
14.2. exterioriza
14.3. seus desejos
14.4. e suas vontades.
 
15. Em geral
15.1. são manifestações
15.2. que expressam
15.3. um universo
15.4. importante
15.5. e perceptível,
15.6. mas pouco estimulado
15.7. pelos modelos
15.8. tradicionais
15.9. de ensino.
 
16. As transformações
16.1. fisiológicas
16.2. de uma criança
16.3. (ou,
16.4. nas palavras
16.5. de Wallon,
16.6. no seu sistema
16.7. neurovegetativo)
16.8. revelam
16.9. traços importantes
16.10. de caráter
16.11. e personalidade.
 
17. "A emoção
17.1. é altamente
17.2. orgânica,
17.3. altera a respiração,
17.4. os batimentos cardíacos
17.5. e até o tônus muscular,
17.6. tem momentos de tensão
17.7. e distensão
17.8. que ajudam
17.9. o ser humano
17.10. a se conhecer",
17.11. explica
17.12. Heloysa Dantas,
17.13. da Faculdade de Educação
17.14. da Universidade
17.15. de São Paulo,
17.16. estudiosa
17.17. da obra de Wallon
17.18. há 20 anos.
 
18. Segundo ela,
18.1. a raiva,
18.2. a alegria,
18.3. o medo,
18.4. a tristeza,
18.5. a alegria e os sentimentos
18.6. mais profundos
18.7. ganham função relevante
18.8. na relação da criança
18.9. com o meio.
 
19. "A emoção
19.1. causa impacto
19.2. no outro
19.3. e tende
19.4. a se propagar
19.5. no meio social",
19.6. completa a pedagoga
19.7. Izabel Galvão,
19.8. também da USP.
 
20. Ela diz
20.1. que a afetividade
20.2. é um
20.3. dos principais elementos
20.4. do desenvolvimento humano.
 
21. Movimento
 
22. Segundo
22.1. a teoria de Wallon,
22.2. as emoções
22.3. dependem fundamentalmente
22.4. da organização
22.5. dos espaços
22.6. para se manifestarem.
 
23. A motricidade,
23.1. portanto,
23.2. tem caráter pedagógico
23.3. tanto pela qualidade
23.4. do gesto
23.5. e do movimento
23.6. quanto
23.7. por sua representação.
 
24. Por que,
24.1. então,
24.2. a disposição
24.3. do espaço
24.4. não pode ser
24.5. diferente?
 
25. Não é o caso
25.1. de quebrar
25.2. a rigidez
25.3. e a imobilidade
25.4. adaptando
25.5. a sala de aula
25.6. para que
25.7. as crianças possam
25.8. se movimentar
25.9. mais?
 
26. Mais que isso,
26.1. que tipo de material
26.2. é disponibilizado
26.3. para os alunos
26.4. numa atividade lúdica
26.5. ou pedagógica?
 
27. Conforme
27.1. as idéias de Wallon,
27.2. a escola
27.3. infelizmente
27.4. insiste
27.5. em imobilizar a criança
27.6. numa carteira,
27.7. limitando
27.8. justamente
27.9. a fluidez
27.10. das emoções
27.11. e do pensamento,
27.12. tão necessária
27.13. para o desenvolvimento
27.14. completo
27.15. da pessoa.
 
28. Inteligência
 
29. Estudos
29.1. realizados por Wallon
29.2. com crianças
29.3. entre 6 e 9 anos
29.4. mostram
29.5. que o desenvolvimento
29.6. da inteligência
29.7. depende
29.8. essencialmente
29.9. de como
29.10. cada uma faz
29.11. as diferenciações
29.12. com a realidade
29.13. exterior.
 
30. Primeiro porque,
30.1. ao mesmo tempo,
30.2. suas idéias
30.3. são lineares
30.4. e se misturam
30.5. — ocasionando
30.6. um conflito
30.7. permanente
30.8. entre dois mundos,
30.8.1. o interior,
30.8.1.1. povoado
30.8.1.2. de sonhos
30.8.1.3. e fantasias,
30.8.2. e o real,
30.8.2.1. cheio de símbolos,
30.8.2.2. códigos
30.8.2.3. e valores sociais
30.8.2.4. e culturais.
 
31. Nesse conflito
31.1. entre situações
31.2. antagônicas
31.3. ganha sempre
31.4. a criança.
 
32. É na solução
32.1. dos confrontos
32.2. que a inteligência
32.3. evolui.
 
33. Wallon diz
33.1. que o sincretismo
33.2. (mistura de idéias
33.3. num mesmo plano),
33.4. bastante comum
33.5. nessa fase,
33.6. é fator determinante
33.7. para o desenvolvimento
33.8. intelectual.
 
34. Daí
34.1. se estabelece
34.2. um ciclo
34.3. constante
34.4. de boas e novas
34.5. descobertas.
 
35. O eu e o outro
 
36. A construção
36.1. do eu
36.2. na teoria de Wallon
36.3. depende
36.4. essencialmente
36.5. do outro.
 
37. Seja
37.1. para ser referência,
37.2. seja
37.3. para ser negado.
 
38. Principalmente
38.1. a partir
38.2. do instante
38.3. em que a criança
38.4. começa a viver
38.5. a chamada
38.6. crise de oposição,
38.7. em que
38.8. a negação do outro
38.9. funciona
38.10. como uma espécie
38.11. de instrumento
38.12. de descoberta
38.13. de si própria.
 
39. Isso se dá
39.1. aos 3 anos
39.2. de idade,
39.3. a hora de saber
39.4. que "eu" sou.
 
40. "Manipulação
40.1. (agredir
40.2. ou se jogar
40.3. no chão
40.4. para alcançar
40.5. o objetivo),
40.6. sedução
40.7. (fazer
40.8. chantagem emocional
40.9. com pais
40.10. e professores)
40.11. e imitação
40.12. do outro
40.13. são características
40.14. comuns
40.15. nessa fase",
40.16. diz a professora
40.17. Angela Bretas,
40.18. da Escola
40.19. de Educação Física
40.20. da Universidade Estadual
40.21. do Rio de Janeiro.
 
41. "Até mesmo
41.1. a dor,
41.2. o ódio
41.3. e o sofrimento
41.4. são elementos
41.5. estimuladores
41.6. da construção
41.7. do eu",
41.8. emenda
41.9. Heloysa Dantas.
 
42. Isso justifica
42.1. o espírito crítico
42.2. da teoria walloniana
42.3. aos modelos
42.4. convencionais
42.5. de educação.
 
43. Wallon considera
43.1. a pessoa
43.2. como um todo.
 
44. Afetividade,
44.1. emoções,
44.2. movimento
44.3. e espaço físico
44.4. se encontram
44.5. num mesmo plano
44.6. wallon na escola:
44.7. humanizar a inteligência
 
45. Wallon na escola:
45.1. humanizar a inteligência
 
46. Diferentemente
46.1. dos métodos tradicionais
46.2. (que priorizam
46.3. a inteligência
46.4. e o desempenho
46.5. em sala de aula),
46.6. a proposta walloniana
46.7. põe
46.8. o desenvolvimento intelectual
46.9. dentro de uma cultura
46.10. mais humanizada.
 
47. A abordagem
47.1. é sempre
47.2. a de considerar
47.3. a pessoa
47.4. como um todo.
 
48. Elementos
48.1. como afetividade,
48.2. emoções,
48.3. movimento
48.4. e espaço físico
48.5. se encontram
48.6. num mesmo plano.
 
49. As atividades pedagógicas
49.1. e os objetos,
49.2. assim,
49.3. devem ser trabalhados
49.4. de formas variadas.
 
50. Numa sala de leitura,
50.1. por exemplo,
50.2. a criança
50.3. pode ficar sentada,
50.4. deitada
50.5. ou fazendo coreografias
50.6. da história
50.7. contada
50.8. pelo professor.
 
51. Os temas
51.1. e as disciplinas
51.2. não se restringem
51.3. a trabalhar
51.4. o conteúdo,
51.5. mas a ajudar
51.6. a descobrir
51.7. o eu
51.8. no outro.
 
52. Essa relação dialética
52.1. ajuda a desenvolver
52.2. a criança
52.3. em sintonia
52.4. com o meio.
 
53. Para pensar
 
54. A teoria
54.1. de Henri Wallon
54.2. ainda
54.3. é um desafio
54.4. para muitas escolas,
54.5. pais e professores.
 
55. Sua obra
55.1. faz uma resistência
55.2. contumaz
55.3. aos métodos pedagógicos
55.4. tradicionais.
 
56. Numa época
56.1. de crises,
56.2. guerras,
56.3. separações
56.4. e individualismos
56.5. como a nossa,
56.6. não seria melhor
56.7. começar
56.8. a pôr em prática
56.9. nas escolas
56.10. idéias
56.11. mais humanistas,
56.12. que valorizem
56.13. desde cedo
56.14. a importância
56.15. das emoções?
 
57. Um mundo em crise
57. Crises sociais
57.1. e instabilidades políticas
57.2. foram fundamentais
57.3. para o francês Henri Wallon
57.4. construir
57.5. sua teoria pedagógica.
 
58. As duas
58.1. grandes guerras
58.2. mundiais,
58.3. o avanço
58.4. dos regimes fascista
58.5. e nazista
58.6. na Europa,
58.7. a revolução socialista
58.8. na Rússia
58.9. e as guerras
58.10. pela libertação
58.11. das colônias africanas,
58.12. na primeira metade
58.13. do século XX,
58.14. serviram de estímulo
58.15. para que ele
58.16. organizasse
58.17. suas idéias.
 
59. A valorização
59.1. da afetividade
59.2. (emoções)
59.3. como elemento
59.4. essencial
59.5. no desenvolvimento
59.6. da pessoa
59.7. trouxe
59.8. um novo alento
59.9. à Filosofia
59.10. da Educação.
 
60. Isso explica,
60.1. em parte,
60.2. a visão marxista
60.3. que deu
60.4. à sua obra
60.5. e por que
60.6. aderiu,
60.7. no período anterior
60.8. à Primeira Guerra,
60.9. aos movimentos
60.10. de esquerda
60.11. e ao Partido
60.12. Socialista.
 
61. "Ditadura e educação",
61.1. dizia ele,
61.2. "são inimigos
61.3. eternos."
 
62. Sem dúvida.
 
63. Biografia
 
64. Henri Wallon
64.1. nasceu em Paris,
64.2. França,
64.3. em 1879.
 
65. Graduou-se em Medicina
65.1. e Psicologia.
 
66. Fez também Filosofia.
 
67. Atuou como médico
67.1. na Primeira Guerra Mundial
67.2. (1914-1918),
67.3. ajudando a cuidar
67.4. de pessoas
67.5. com distúrbios
67.6. psiquiátricos.
 
68. Em 1925
68.1. criou um laboratório
68.2. de Psicologia Biológica
68.3. da Criança.
 
69. Quatro anos mais tarde,
69.1. tornou-se professor
69.2. da Universidade Sorbonne
69.3. e vice-presidente
69.4. do Grupo Francês
69.5. de Educação Nova
69.6. — instituição
69.7. que ajudou
69.8. a revolucionar
69.9. o sistema de ensino
69.10. daquele país
69.11. e da qual
69.12. foi presidente
69.13. de 1946
69.14. até morrer,
69.15. também em Paris,
69.16. em 1962.
 
70. Ao longo
70.1. de toda a vida,
70.2. dedicou-se
70.3. a conhecer
70.4. a infância
70.5. e os caminhos
70.6. da inteligência
70.7. nas crianças.
71. Militante de esquerda,
71.1. participou
71.2. das forças
71.3. de resistência
71.4. contra Adolf Hitler
71.5. e foi perseguido
71.6. pela Gestapo
71.7. (a polícia política nazista)
71.8. durante a Segunda Guerra
71.9. (1939-1945).
 
72. Em 1947
72.1. propôs mudanças
72.2. estruturais
72.3. no sistema educacional
72.4. francês.
 
73. Coordenou
73.1. o projeto
73.2. Reforma do Ensino,
73.3. conhecido como
73.4. Langevin-Wallon
73.5. — conjunto de propostas
73.6. equivalente
73.7. à nossa Lei
73.8. de Diretrizes
73.9. e Bases.
 
74. Nele,
74.1. por exemplo,
74.2. está escrito
74.3. que nenhum aluno
74.4. deve ser reprovado
74.5. numa avaliação escolar.
 
75. Em 1948
75.1. lançou a revista
75.2. Enfance,
75.3. que serviria
75.4. de plataforma
75.5. de novas idéias
75.6. no mundo
75.7. da educação
75.8. — e que rapidamente
75.9. se transformou
75.10. numa espécie
75.11. de bíblia
75.12. para pesquisadores
75.13. e professores.
 
76. Quer saber mais?
 
77. Henri Wallon:
77.1. Uma Concepção Dialética
77.2. do Desenvolvimento Infantil,
77.3. Izabel Galvão, 132 págs.,
77.4. Ed. Vozes, tel. (0_ _11) 6693-7944,
77.5. 14 reais
 
78. A Infância da Razão:
78.1. Uma Introdução à Psicologia
78.2. da Inteligência de Henry Wallon,
78.3. Heloysa Dantas, 112 págs.,
78.4. Ed. Manole, tel. (0_ _11) 4196-6000,
78.5. 26 reais
 
79. As Origens do Caráter na Criança,
79.1. Henry Wallon, 278 págs.,
79.2. Ed. Nova Alexandria,
79.3. tel. (0_ _11) 5571-5637,
79.4. 34 reais
 
80. As Origens do Pensamento na Criança,
80.1. Henri Wallon, 540 págs., Ed. Manole,
80.2. 42 reais
 
81. Wallon, Vygotsky, Piaget:
81.1. Teorias Psicogenéticas em Discussão,
81.2. Yves de la Taille, Marta Kohl de Oliveira
81.3. e HeloysaDantas, 120 págs.,
81.4. Summus Editorial, tel. (0_ _11) 3865-9890,
81.5. 18 reais
Esse post foi publicado em Enciclopédia. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s